Matéria publicada em 28/09/2017 às 20:48:41

Fonte: folha do sul online

DETALHES: Rapaz confessa ter matado namorada com tiro acidental

O rapaz que matou com um tiro no rosto a namorada Jaqueline Fagundes de Souza, 20, no dia 24 de agosto, em Vilhena, disse que a morte da garota foi acidental. A versão dele foi dada em depoimento no Hospital Regional de Cacoal, onde o suspeito está internado, após um assalto frustrado na cidade de Rolim de Moura.

De acordo com o delegado vilhenense Núbio Lopes de Oliveira, que fez o interrogatório, Roberson R.L.S., hoje com 20 anos, alegou que a pistola 9 mm que provocou a morte, teria disparado acidentalmente.

Ele contou que estava manuseando a arma com a namorada deitada em seu colo, quando o tiro “escapou”. A bala que estava no cano da arma entrou pelo alto da cabeça saiu pela bochecha da vítima.

Sobre o fato de ter tentado se livrar do corpo, o rapaz justificou: teria ficado desesperado após o ato e, com a ajuda de um amigo (o mesmo que morreu no assalto em Rolim), levou o cadáver até a área rural de Vilhena, onde ele foi “desovado”. 

Sobre o fato de o celular e o dinheiro que estavam com Jaqueline terem sumido, Roberson apontou o comparsa morto pela PM como suspeito. Ele relatou ainda que, após o disparo e de se livrar do corpo, limpou o sangue que havia ficado na casa da mãe, onde aconteceu o crime.

O delegado disse que, na noite anterior ao episódio, a garota assassinada havia ido ao encontro, mas sem avisar ninguém sobre o paradeiro, conforme havia pedido Robinho. “Como ele temia ser localizado e preso, pois estava com mandado em aberto, recomendou que a moça não falasse com ninguém sobre o encontro”.

O delegado, que apurou o caso e indiciou o jovem por homicídio, furto qualificado e ocultação de cadáver, informou que ele será recambiado para Vilhena tão logo receba alta hospitalar.

Perícia desmente

Em contraste com a alegação de Roberson, de que não teve a intenção de fazer o disparo, o laudo emitido pelo médico legista aponta que a morte de Jaqueline foi provocada por um “tiro de encosto”, ou seja, o cano arma da arma estava colado na cabeça dela. Com isso, ele deverá ser julgado também por feminicídio.

 
Comente Pelo Facebook

 

ÚTLIMAS NOTÍCIAS

14/03/2018 • Secretaria de Obras reforça parceria para EXPOVALE 14/03/2018 • Patrulha Alfa do 7º BPM apreende armas e adolescentes 14/03/2018 • Homem com revólver é detido por policiais militares do 7º BPM 14/03/2018 • Atletas da Escolinha de Futebol Capitão são selecionados para clube em Minas Gerais 10/03/2018 • Praça Quero-Quero recebe projeto “Na praça com saúde”. 10/03/2018 • Escolhidas as 10 candidatas que vão disputar o título de Rainha da Expoari 09/03/2018 • Polícia Militar Mirim do 7º BPM inicia as atividades 09/03/2018 • Artigo: Por: Maracelia Lima de Oliveira Vice-Presidente da OAB/RO 07/03/2018 • Patrulha Charlie do 7º BPM recupera moto e detém suspeitos 07/03/2018 • Sebrae e ACIA unem esforços para desenvolver economia

©Copyright 2014 - Todos direitos reservados a Reporternoticia.com.br

Netmidia - Soluções Digitais